Os vencedores da Olimpíada do Futuro 2020

Foram seis meses de provas, muitas peneiras e seleções, discussões de ideias e criação de protótipos no meio de uma pandemia. Mas, apesar de todas as dificuldades de um ano atípico, mais uma vez os estudantes brasileiros mostraram toda sua criatividade e talento na Sapientia – Olimpíada do Futuro, que ocorreu de maneira totalmente virtual. Dos cerca de 10 mil alunos inscritos, do 9o ano do ensino fundamental II ao médio, sobraram 21 equipes, das quais cinco conquistaram as medalhas de ouro, prata e bronze na edição de 2020.

O anúncio dos vencedores foi feito no dia 10/12, por Djamila Ribeiro

O grande vencedor, revelado na semana passada, foi o grupo Nutrinim, do Rio Grande do Norte, que desenvolveu uma jujuba capaz de devolver o paladar aos pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia – e, assim, salvar muitos da desnutrição e anorexia. Os outros grupos ganhadores foram Tech Signal, Embaqma, Solaris e LabDrive. Confira esses projetos incríveis!

Veja aqui todos os finalistas

 

Vídeo com a cerimônia de premiação completa

 

Nutrinim - Ouro

Segundo os estudantes das escolas SESI Natal e São Gonçalo do Amarante, que compõem o grupo vencedor, a jujuba Nutrinim pode aumentar a salivação – prejudicada nos tratamentos contra o câncer -, a sensação térmica e o paladar, e estimular a abertura das vias aéreas. Feita com óleo natural de hortelã pimenta, a jujuba, garantem os alunos, podem ajudar em 40% a 80% na nutrição desses pacientes, no consequente aumento da imunidade e na melhora da qualidade de vida, já que a falta de apetite e as alterações bucais prejudicam ao menos metade daqueles que precisam se submeter à radioterapia ou à quimioterapia

 

Tech Signal - Prata

Os alunos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) criaram o protótipo de um app inclusivo, que armazena e democratiza o acesso a conteúdos acadêmicos em libras: vídeos, apostilas, artigos e sinalários (glossários criados para símbolos em libras), além de outros recursos acadêmicos. O app visa atender aos estudantes com alguma deficiência auditiva, além de professores e até empresas, ao reunir conhecimento e permitir seu acesso em uma base unificada. 

LEIA MAIS: Como as crianças com deficiência leem literatura?

 

Embaqma - Prata

Os alunos do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Rio Pomba desenvolveram uma embalagem de bambu que permite embalar o queijo minas artesanal de modo que ele possa continuar a maturação. Esse processo é hoje interrompido pelo plástico, embalagem hoje mais utilizada. Além disso, a solução é mais sustentável, tanto pela substituição do plástico como pela possibilidade de geração de renda para a comunidade com o plantio do bambu e confecção do cesto artesanal.

 

Solaris - Bronze

O grupo de estudantes do Colégio Farias Brito Sobralense, do Ceará, desenvolveu um projeto para dessalinizar a água do mar de forma mais barata que os métodos atuais e sem a adição de produtos químicos. O processo de dessalinização apresentado é baseado na energia solar e prevê a criação de centros de separação da água do mar do sal. Cada equipamento projetado atende cinco famílias.

 

LabDrive - Bronze

Trata-se de um laboratório móvel que se desloca até a escola levando ciência e possibilidade de os alunos do ensino fundamental I realizarem experimentos científicos. O projeto do grupo de estudantes do Colégio Planck, de São Paulo, vem a suprir a enorme deficiência de laboratórios nas escolas dedicados à ciência no país e tem ainda suporte virtual, com aulas gravadas, quizes e outras atividades.

 

A Olimpíada do Futuro

Com inscrições que começaram em março e provas que tiveram início em maio, a segunda edição da Sapientia - Olimpíada do Futuro teve sua grande final no dia 10/12 com transmissão pelo Canal LetrinhaZ, do YouTube, e apresentação de Djamila Ribeiro e Lázaro Ramos. Todas as propostas passaram por diferentes etapas de planejamento, desenvolvimento e prototipagem, com elaboração de planos de negócios, sites, projeções financeiras, táticas e estratégicas, vídeos etc, e foram selecionadas por seu grau de inovação, impacto socioambiental e factibilidade de implantação.

Vindos de diversas regiões do país, os projetos finalistas se apresentaram para um júri composto por profissionais da educação, da administração pública, do mercado privado e do terceiro setor. Elas abrangem vários objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU, como a ação contra a mudança global do clima, a igualdade de gênero, a redução das desigualdades e a educação de qualidade, entre outros. Além de medalhas, as propostas vencedoras podem vir a ser implementadas.

 

Leia mais:

+ Abertas as inscrições para a OIimpíada do Futuro

+ Inclusão com i maiúsculo

+ Escrita tem como espelho a leitura

Acesse a Letrinhas nas redes sociais