Os diferentões da literatura infantil!

 

Se você conferir a estante de livros infantis de casa ou da escola, vai perceber que uma edição consegue ser mais diferentona do que a outra. São muito grandes, muito pequeninos, quadrados ou bem horizontais, com espelhos, dobras e abas, ou cheios de recortes. E todos esses formatos, alguns bem inusitados, são cheios de histórias. Ou seja, ajudam a contar a história. Com tantos elementos, recursos e possibilidades gráficas, essas obras vão engajando, entretendo e encantando seus leitores – as crianças e, claro, também os adultos. Ficou curioso? Confira na lista a seguir alguns exemplos de livros diferentões da literatura infantil!


 

***

 

Um clássico em miniatura

 

 

Diminutas páginas narram grandes histórias da literatura mundial em Minimaginário de Andersen, recontadas por Katia Canton e ilustradas por Salmo Dansa. São personagens que passariam despercebidos aos mais desatentos: uma pequena vendedora de fósforos, um patinho feio, um soldadinho de chumbo. A delicadeza de todas essas figuras, destacadas por Hans Christian Andersen, é lembrada nessa pequena edição.

 

Grandes bocejos

 

Cuidado para não pegar no sono! Num formato grandão, páginas de 27 por 36 centímetros, Bocejo, de Ilan Brenman e Renato Moriconi, convida o leitor a entrar numa narrativa visual. Retratos das mais variadas figuras pegas em flagrante no ato de bocejar compõem as páginas desse livro. Quem será o último personagem dessa narrativa que atravessa os milênios e nos conta a história da humanidade? Uma página espelhada pode surpreender.

 

Misteriosas palavras

 

Que telefone sem fio pode ser uma brincadeira muito engraçada todos já sabem. Mas já tentou adivinhar o que uma figura tanto cochicha no ouvido da outra? Em Telefone sem fio, outra parceria de Ilan Brenman e Renato Moriconi, essa curiosidade vira criatividade. Personagens inusitadas participam da brincadeira e cabe aos leitores desvendar as palavras pronunciadas a cada rodada.

 

Humanos animalizados

 

Já reparou como algumas pessoas se parecem, nem que seja um pouquinho, com alguns animais? Foi dessa observação que surgiu Caras animalescas, outro livro de Ilan Brenman e Renato Moriconi, título da Trilogia do Retrato. Abelardo parece um leopardo, Ninoca tem cara de foca… Será que você consegue adivinhar todas as referências presentes no livro?

 

Para compartilhar com os amigos

 

As grandes páginas deste colorido livro não são à toa – que tal compartilhar a leitura com o seu melhor amigo? É que O pirata e o farmacêutico, escrito por Robert Louis Stevenson e com ilustrações de Henning Wagenbreth, fala exatamente disso: de como a amizade pode se complicar ao longo da vida. A linguagem poética e as grandiosas imagens deixam tudo mais envolvente.

 

Palavras que narram o planeta

 

Cem palavras que contam a história do Planeta Terra. Essa é a ideia de A história da Terra 100 palavras, de Gilles Eduar e Maria Guimarães. Gigante como a dimensão do assunto abordado, este livro informativo é cheio de cores vivas e fatos curiosos sobre a jornada dos seres vivos no planeta. Perfeito para as mentes mais curiosas.

 

Muitas surpresas em um envelope

 

Em Pedro carteiro, baseado no personagem do clássico Pedro Coelho, de Beatrix Potter, o entregador de cartas está atarefado, e o leitor será de grande ajuda! É que terá que pegar, ler, brincar e imergir na história a partir das cartinhas guardadas no livro. A narrativa, que traz figuras icônicas como o sr. Raposão e a sra. Josefina Coelho, vem também com cartões-postais, folhetos e recortes de jornais.

 

Dobrar para criar

 

Uma cor aqui, outra cor ali… O que acontece quando um livro é composto por páginas das mais coloridas, cheias de formas, traços e curvas? O leitor entra na brincadeira, é claro! Assim é Dobras, de Andrés Sandoval, que já no título nos convida a experimentar diferentes combinações em uma verdadeira criação conjunta. Os resultados possíveis podem surpreender nesse livro nada convencional.

 

Um livro para ouvir no máximo volume

 

Uma história que nos apresenta ao universo da música clássica já é boa demais quando escrita por ninguém menos do que Lemony Snicket. E quando vem acompanhada de um CD, com a narração do próprio autor e algumas canções para curtir um som? É o que acontece em O compositor está morto, que traz as ilustrações de Carson Ellis e a música de Nathaniel Stookey.

 

É de brincar

 

Numa ode divertida ao livro, um burrinho procura saber para que serve o objeto quadrado que tem nas mãos. É para morder? É para telefonar? É para fazer quá-quá? Não. É pra ler… E brincar! A autora Lane Smith sugere em É um livrinho justamente essa interação: nas mãos de um bebê, mesmo sem acompanhar a história, há muito afeto garantido na leitura a partir das ilustrações, do virar das páginas, ao dar uma mordidinha...

 

Pinguins dia sim, dia também

 

No dia 1º de janeiro, chegou à casa de uma família um pinguim. No dia seguinte, chegou outro. No 10 de abril, já estava lá 100 deles. E todos os dias que se seguiram nesse ano chegou mais um pinguim. É uma loucura, façam as contas: é preciso dar-lhes de comer, arrumá-los, entretê-los e aguardar o próximo pinguim. São 365 pinguins, 1.730 patas, 2,5kg de peixe para cada um a 3€ o quilo. Em grande formato, este livro traz um divertido enigma de matemática!

 

Cartas para você!

 

 

O carteiro chegou! E trouxe um livro que reúne personagens de diversos contos de fadas em suas trocas de correspondências. Nele, João agradece o gigante pelas ótimas férias que sua galinha de ovos de ouro proporcionou, e Cachinhos Dourados aproveita para se desculpar com a família Urso pela confusão na casa. Bom para aprender o gênero epistolar, inspirando a escrita, já que o livro vem cheio de cartas de verdade, postais e convites, com envelope e tudo.

 

Com brinquedo e com afeto

 

O livro-brinquedo A casa dos beijinhos, de Claudia Bielinsky, usa apelos táteis e visuais para estimular crianças de dois a quatro anos a explorar o mundo. Para isso, no meio de ilustrações manipuláveis, os leitores ajudam o cachorrinho Neném a procurar beijinhos em todos os cantos da casa. Que tal abrir a porta e as janelas, espiar os armários, olhar atrás dos quadros para achar um beijinho escondido entre as páginas deste livro?

 

Cadê? Achou!

 

No livro Esconde-esconde na escola, também da autora Bielinsky, as crianças brincam participando ativamente do processo de leitura. Na obra, Neném insiste em se esconder, mas todos os bons lugares já foram ocupados por bichos espertalhões. Para ajudar o cachorrinho a encontrar um esconderijo, as crianças levantam abas, em ilustrações manipuláveis e cheias de cor, procurando na cantina, na biblioteca, em cima da árvore, no banheiro, na sala de aula... No meio dessa grande busca (a edição vem num formato grande, com 37 cm de altura), as crianças acabam por fazer um grande tour pela escola.

Acesse a Letrinhas nas redes sociais