Livrarias infantis na pandemia: PanaPaná

Durante a pandemia, a PanaPaná conseguiu um engajamento potente dos clientes nas redes sociais, com uma mobilização que incluiu a participação de autores e chegou a uma campanha para manter as vendas que a livraria precisava para se manter funcionando. Celina Bodenmüller, proprietária da livraria que começou a funcionar em março de 2007, conta como tem sido a reabertura: “Reabrimos em meados de julho, mas as vendas na loja ainda estão mais baixas do que no ano passado. Mas seguimos em frente, temos capital de giro e o acervo de livros está sendo melhorado e ampliado. Pretendemos reverter o quadro negativo com as vendas do Dia das Crianças e do Natal. Alguns clientes chegam dizendo: ‘Ai que bom que vocês reabriram!’. Sentimos não poder dar um abraço.”

LEIA MAIS: Como estão as livrarias infantis depois de seis meses de pandemia?

No começo

“Todas ficamos inseguras com a enxurrada de informações conflitantes quanto à necessidade de fechamento e isolamento. Resolvemos, por precaução, fechar a loja temporariamente no dia 20/03, ou seja, alguns dias antes do decreto municipal. A adaptação foi muito lenta. Inicialmente decidimos que todos trabalhariam em casa sem redução da jornada e começamos a divulgar com intensidade que faríamos entregas. O resultado foi muito tímido no início e eu mesma fazia as entregas."

Vídeos de autores

“Além da estratégia de passar a entregar gratuitamente num raio de até dez quilômetros da livraria, pedimos aos ‘autores amigos da PanaPaná’ que nos enviassem vídeos sobre a importância da leitura, como ela poderia ser mais praticada durante o isolamento e indicando a PanaPaná como opção. As vendas não aumentaram, mas as pessoas compartilharam os vídeos e recebemos muitos elogios. Senti que estávamos ganhando prestígio. Temos um site bacana há anos. Mas as vendas ainda não cresciam. Faturávamos em uma semana a média do que vendíamos em um dia. Outra estratégia foi entrar em contato com os clientes (até hoje estamos fazendo isso) e fazer vendas ativas, por email, mensagem no Whatsapp ou ligando para conversar, e isso gerou vendas.”

Me nota!

“Realizamos ações nas redes sociais para manter o público próximo e foi a coisa mais importante que aconteceu conosco. Com o prestígio angariado com as indicações dos autores (já eram dezenas de vídeos), fiz uma conta de que, para pagar os custos fixos sem ter lucro, precisaríamos vender quinze itens por dia (comercializamos livros e brinquedos educativos). Fiz um post sobre isso no Instagram e no Facebook, enfatizando que isso ajudaria a PanaPaná a continuar de portas abertas. Foi lindo! Um divisor de águas, inúmeras chamadas no Whatsapp com compras imediatas (terminávamos os dias com mais de 150 chamadas que não conseguíamos atender), muitos pedidos no site também, além dos amigos e clientes que se engajaram numa espécie de campanha.

Além do bairro

“O movimento se espalhou e chegou ao Rio de Janeiro. Chegamos a enviar pedidos para Mato Grosso, Bahia, Minas, Piauí. Os vizinhos da livraria também compraram, dizendo que ter uma livraria no bairro é uma coisa muito importante. Além de compras, muitas sugestões e palavras de incentivo. Foram tantas demonstrações de carinho que me senti na obrigação de manter a livraria aberta para retribuir o que estava recebendo. Uma nova onda de compras aconteceu logo que um jornalista da Vejinha soube dessa história e fez uma matéria a respeito, o que é uma divulgação muito importante para qualquer empresa e mais ainda para uma pequena livraria de bairro.”

Mimos

“Oferecemos aos nossos clientes dedicatórias de alguns autores amigos e todos acham essa iniciativa muito simpática. Não tem custo adicional e é uma cortesia para mimar o cliente. Pedimos colaboração das editoras para envio de marcadores, material promocional, algumas mandaram, outras nos procuraram para juntos fazermos sorteios de livros e brindes nas redes sociais.”

Fama

“O Google chegou a nos mandar uma mensagem dizendo que estávamos famosos. O Instagram nos cumprimentou pelo volume de acessos (7.500 apenas num dia!). Começamos a fazer lives de contações de histórias todos os sábados no Instagram, o que acontece até hoje.”

 

Whatsapp: (11) 94536.4921

Instagram: @panapana_livraria_infantil

Acesse a Letrinhas nas redes sociais