Livrarias infantis na pandemia: NoveSete

Às vésperas de completar 13 anos, a NoveSete se prepara para o lançamento de sua loja virtual e experimenta novas formas de contato com o público, sem perder de vista o princípio que sempre orientou a livraria: “Eu sempre acreditei e continuo acreditando que as crianças devem frequentar livrarias, bibliotecas e fazer as suas próprias escolhas. No processo de formação de um leitor, a criança é quem deve decidir o que quer ler. Pela internet, quem faz a escolha dos livros são os adultos, e muitas vezes por influência da mídia, de sites com indicações prontas. Eu nunca concordei com isso e, por esse motivo, não tinha loja virtual”, conta Gislene Gambini, proprietária da livraria. Com as vendas pelo site, ela pretende alcançar um público que não podia ter acesso ao acervo diferenciado da loja.

LEIA MAIS: Como estão as livrarias infantis depois de seis meses de pandemia?

No começo
"Dois dias antes do governo de São Paulo decretar o fechamento do comércio, nós decidimos fechar a livraria para proteger a minha equipe e os clientes. Já estava vislumbrando uma situação muito complicada. Nós ficamos praticamente 120 dias sem vender nada. Não fomos pela direção de fazer lives ou divulgar mais pelas mídias; isso veio depois. Eu tinha um capital de giro, mas tive muitos custos e pagamentos. Não dispensei ninguém e não diminuí a carga horária nem o salário da minha equipe, que é formada também pelo meu contador, pela minha faxineira, o guarda e os funcionários da loja. Depois de um tempo, tive que entrar num financiamento de folha de pagamento."

A volta
"Comecei a me movimentar junto com a equipe e voltamos em meados de junho. Fizemos a contagem de todo o acervo da livraria e foi aí que começamos a ter ideias do que fazer para nos reinventar, já que as pessoas não podiam ir até a loja. Comprei celulares com uma linha de específica para atender os clientes por Whatsapp e começamos a fazer algumas vendas.

Depois, começamos a atender com hora marcada, recebendo dois clientes de cada vez. Durante a semana, o movimento já está mais ou menos normalizado, porque a loja nunca fica muito cheia nesses dias, são mais visitas pontuais, com exceção de Dia das Crianças, Natal etc. Mas as maiores vendas aconteciam aos sábados, quando havia eventos, e isso me prejudicou bastantem porque não vamos poder fazer eventos ainda por um período. Para você ter uma base, no mês passado eu vendi 50% do que vendo normalmente nesse período. Tive que deixar de pagar muitas editoras; fiz algumas negociações e outras ainda estão pendentes. Acho que a solução para o problema na nossa área não é individual, em que cada editora faz uma promoção no próprio site, e as livrarias não conseguem concorrer. A curto prazo isso pode trazer uma rentabilidade, mas, a longo prazo, vai causar problemas na cadeia do livro; existe a possibilidade de as livrarias fecharem."

Caminhos digitais
"Neste momento estou focada na ampliação do site para ter uma loja virtual, que vai ser diferenciada porque nosso acervo é diferenciado, com muitos autores e editoras independentes; nós valorizamos os pequenos. Quando o site estiver no ar, pretendo fazer uma campanha para montar uma biblioteca numa comunidade aqui do bairro, com apoio dos clientes da loja. E vamos continuar com as redes sociais para fazer lives. No próximo sábado, o grupo de teatro Luar no ar vai fazer uma transmissão de contação de história direto da livraria, mas virtual. No dia 22 de setembro é o nosso aniversário e vamos ter a Maratona NoveSete no Instagram, também virtual, mas já é o terceiro ano que esse evento acontece, com um grupo de pessoas que conta histórias ao longo do dia. Esse ano foi sem patrocínio, óbvio, mas todos toparam fazer mesmo assim. Também apostamos em sorteios porque é uma coisa que as pessoas gostam e nós já fizemos algumas vezes."

Laços 
"A gente está aprendendo a se reinventar. É uma coisa batida, mas é isso mesmo. Vamos aprender o que é possível fazer, não existe uma fórmula. Depende muito também da conjuntura política e econômica do país. Tem também muito isso do companheirismo, da parceria e de contar um com o outro; eu cultivei muitos amigos durante esses 13 anos de NoveSete, funcionários, ex-funcionários, as pessoas que vieram fazer atividades culturais na livraria, as editoras, os escritores e ilustradores."

Whatsapp: (11) 96325.6802

Instagram: @livrarianovesete

Acesse a Letrinhas nas redes sociais