Livrarias infantis na pandemia: Movimento Literário

A Movimento Literário é uma empresa que oferece cursos, formações, feiras de livro em escolas e, paralelamente, tem a loja virtual com acervo selecionado pela pedagoga Ana Paula Leme, que fundou o projeto no início de 2018. Antes da pandemia, claro, todas essas atividades – fora a loja - aconteciam presencialmente. Desde então, Ana viu o movimento da livraria, que antes era médio e sem picos, dobrar. Indicações de pessoas muito reconhecidas na área da educação atraíram um público intenso e novo para o site, e ela potencializou as vendas com cursos, lives e conteúdos: “Convidei o André Neves para conversar, por exemplo, depois preparei um bom acervo dele, fiz posts sobre esses livros e vendeu. Fiz a mesma coisa com a Lúcia Hiratsuka”, ela conta. 

LEIA MAIS: Como estão as livrarias infantis depois de seis meses de pandemia?

No começo
“Na semana em que tudo fechou em São Paulo, ia acontecer o seminário Arte Palavra, promovido pela Revista Emília, o Itaú Social e o Sesc Pinheiros, e o evento foi cancelado três dias antes. Eu ia fazer as vendas de livro e estava trabalhando na curadoria havia dois meses, pensando nos títulos que levaria para cada mesa, quem eram os palestrantes, o tema da discussão etc. Eu estava com trinta caixas fechadas e etiquetadas de livros com preço, foi o primeiro baque e foi grande porque é o nosso melhor evento financeiro do ano.” 

Amigos são tudo
"Depois de me recuperar um pouco, comecei a olhar com mais atenção para a rede social, a movimentar mais o Instagram e percebi que ali seria um lugar onde eu poderia me comunicar. Uma amiga que tem uns 30 mil seguidores me pediu um livro e eu mandei num embrulho fofo. Ela postou aquele livro incrível e eu recebi outros pedidos vindos dessa comunicação. Acredito que chegamos a muitos lugares através dessa rede de apoio que se formou aos pequenos livreiros e alcançamos um público que antes a gente não alcançava. Eu comecei a pandemia com 2 mil seguidores e hoje tenho mais de 6 mil, o que é muito bom. Teve também o caso da indicação que o Paulo Focchi fez numa live. Ele é professor e referência na área da educação da infância e comentou sobre dois livros que nós vendemos e, de repente, o meu site caiu de tantas pessoas acessando ao mesmo tempo. Foi muito significativo e importante porque esses clientes entraram na loja vindos desse lugar. Muitos deles voltaram para comprar outras obras e começaram assim várias amizades."

Presença on-line turbinada

"Assim a livraria começou a ter uma visitação mais constante e eu fui melhorando o acervo e comecei a fazer algo que eu não fazia: postar sobre os livros novos que chegavam, avisando que estavam disponíveis na loja. Antes eu fazia uma resenha de forma muito mais tímida, mas não divulgava que estávamos vendendo, por exemplo." 

Bolo de cenoura
"Eu vendo pelo WhatsApp também e ali é uma coisa muito orgânica. Eu vendo e fico amiga da cliente; quando vejo, já comecei a conversar sobre o bolo de cenoura que ela fez! Para mim é assim que funciona, eu preciso fazer isso de forma personalizada. Senão seria mais uma livraria e eu nunca quis ser mais uma livraria, sempre quis ser uma pessoa que forma alguém, seja através da fala, seja através do livro. As vendas vieram naturalmente a partir disso. Eu fiquei emocionada, até perdi o rumo racional da conversa!"

Carta, bilhete, postal
“Eu sempre procuro conversar com a pessoa para quem eu mando aquele livro, aquela possibilidade de experiência boa. Eu sinto como se estivesse conversando com a pessoa. Mesmo quando ela chega até nós pelo site, eu tento me conectar com ela de alguma forma, como se a gente tivesse presencialmente. Então eu escrevo um postal, um bilhetinho, mando uma carta explicando a Movimento Literário, enfim, são todas formas de tentar oferecer a melhor experiência, não simplesmente comprar um livro. Acho que isso faz uma diferença.”

 

Whatsapp: (11) 98335.9257

Instagram: @movimentoliterario_

Acesse a Letrinhas nas redes sociais