8 fatos que fizeram de Mandela o líder que foi

Amanhã, 18 de julho, Nelson Mandela faria 102 anos. Ele foi o primeiro presidente negro da África do Sul e um nome de referência na luta contra o Apartheid. Conheça alguns fatos que marcaram sua vida e o tornaram um líder que será lembrado para sempre.

 

(Ilustração do livro Mandela: o Africano de Todas as Cores)

1. Frequentar a escola

Nelson Mandela nasceu em Mvezo, África do Sul, em 1918. Nascido em uma família de nobreza tribal, da etnia Xhosa (você sabia que o nome de batismo dele é Rolihiahia?), foi o primeiro da família a receber educação formal, pois naquela época pouquíssimas crianças negras frequentavam escolas na África do Sul. Ingressou na escola primária em 1925 e foi uma professora que deu a ele o nome Nelson, seguindo um costume de dar nomes ingleses às crianças. 

 

2. Não aceitar regras sem contestá-las

Mandela era do povo Thembu, que tem como tradição os casamentos arranjados. Aos 23 anos, seu tio lhe arranjou uma moça para casar. Ele recusou e decidiu ir para Joanesburgo, onde trabalhou como vigia noturno em uma mina, ao mesmo tempo que cursava Direito. 

 

3. Entrar para a vida política

Mandela era o único negro da turma na faculdade de Direito e se deparava com um país cada vez mais dividido. Começou a se envolver com movimentos estudantis que lutavam pela igualdade de direitos e respeito às pessoas negras e pouco depois já estava envolvido com o ANC (Congresso Nacional Africano), tornando-se figura central da organização. 

 

4. Saber desde sempre qual era sua luta

Depois de formado, Mandela fundou o primeiro escritório de advogados negros do país, com o também líder sul-africano antiapartheid, Oliver Tambo. Atuavam especialmente com vítimas de políticas de segregação racial. Em 1962, foi preso por deixar o país sem permissão e, dois anos depois, foi acusado de sabotagem e preso com vários outros líderes políticos negros. Condenado à prisão perpétua, disse no tribunal: "O ideal de uma sociedade democrática e livre é um ideal para cuja concretização espero viver. Mas se for necessário é um ideal pelo qual estou disposto a morrer."

 

5. 27 anos na prisão

Nelson Mandela ficou por mais de duas décadas preso na Cidade do Cabo, em uma cela na prisão de segurança máxima da Ilha Robben. Depois foi transferido para a prisão de Pollsmoor, de onde começou a negociar sua liberdade. No mundo todo já aconteciam protestos da campanha Liberte Mandela e o governo sentia a pressão. 

 

"Sonho com o dia em que todas as pessoas levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos." (Nelson Mandela)

 

 

6. Querer direitos para todos e não só para si

Mesmo na prisão, Mandela continuou sua luta por uma sociedade democrática e livre. Enquanto estava preso, se recusou diversas vezes a ser solto, pois não chegava a um acordo com os líderes nacionais brancos sul-africanos. Ele exigia liberdade a todos os presos políticos, e que o seu partido, ANC, fosse legalizado. 

 

7. Nobel da Paz

Após finalmente ser solto, Mandela recebeu diversas homenagens, incluindo a importante Medalha da Liberdade, que ganhou do então presidente dos EUA, Bill Clinton. Junto com o compatriota e então presidente sul-africano Frederick Willem de Klerk, Nelson Mandela recebeu o Prêmio Nobel da Paz, em 1993, por todo o seu esforço em acabar com o regime de segregação racial e luta por princípios democráticos e igualitários para o seu país.

 

8. Tornar-se presidente

Um ano depois, em 1994, Mandela foi eleito o primeiro presidente negro da África do Sul, aos 75 anos. Foram as primeiras eleições livres do país e ele teve 62% dos votos. Foi também a primeira vez que Nelson Mandela votou. Ele ficou no cargo por cinco anos, tempo estipulado do mandato presidencial.

 

Quer saber mais sobre esse líder da humanidade? Ou contar sobre ele para alguma criança? O livro Mandela: o Africano de Todas as Cores traz texto emocionante de Alain Serres e belas ilustrações de Zaü. A obra conta ainda com a seção "Para compreender melhor", em que o leitor encontrará material de pesquisa que inclui: palavras-chave, fotos, um mapa e uma cronologia da vida de Mandela.

 

Leia Mais:

+ A invizibilização da criança negra

+ 8 livros para falar de racismo

+ Do que (não) falamos quando (não) falamos do racismo

 

 

Acesse a Letrinhas nas redes sociais