7 livros que falam sobre os livros e sua potência

“Quando lia, no silêncio de sua casa,
Maliq pensava que a sorte
estava nos livros,
em todos os livros,

em cima,
embaixo,
dentro
dele.”

Esse é um pequeno trecho do lançamento de abril da Pequena Zahar, Os livros de Maliq, uma história sensível e tocante sobre um menino que fica órfão e, apesar de ter muitos irmãos, se vê sozinho fora de casa, com as pilhas e pilhas de livros nos quais aprendera a ler. Antes de morrer, o pai deixa algo a cada filho, mas se esquece de Maliq, pequenininho ao lado da cama.

Os livros de Maliq, uma homenagem à infância e aos livros

Um menino que perde a mãe e o pai constrói uma
casa de livros e com eles sobrevive à solidão. Leia +.

Assim, os livros ficam com ele. Depois de sonhar que sua mãe lia para ele um livro “vasto como o telhado de uma casa”, Maliq começa a construir uma casa para se abrigar em que as paredes, janelas, portas, a cama, o teto, tudo é feito de livros.

Com eles e por meio deles, Maliq sobrevive, se fortalece, amadurece e segue seu caminho. Escrito por Paola Predicatori e ilustrado por Anna Forlati, as duas italianas, Os livros de Maliq é uma narrativa potente e delicada sobre o lugar e o tamanho que os livros podem ocupar na vida de alguém, especialmente na de uma criança.

LEIA MAIS: O que a ficção pode fazer pela saúde mental das crianças

Maliq sonha com a mãe lia um livro vasto como o telhado de uma casa para ele. Ilustração: Anna Forlati

E, como o mês de abril tem várias datas que celebram o livro - Dia Internacional do Livro Infantil (02/04), Dia Nacional do Livro Infantil (18/04) e Dia Mundial do Livro (23/04) -, o Blog da Letrinhas fez uma seleção com outros livros que falam sobre livros e as suas infinitas funções e possibilidades: caminhos, desvios, casas, viagens, escape, sonhos, acolhimento, distração, mergulhos, vozes.

Vamos ler sobre eles?

 

1) A menina dos livros, de Oliver Jeffers e Sam Winston

Uma menina navega em sua jangada por um mar de palavras, até chegar à casa de um menino com quem vai viver aventuras em que a paisagem é formada pela tipografia das páginas de dezenas de histórias infantis clássicas. Vencedor do prestigiado prêmio Bologna Ragazzi em 2017, este livro é uma homenagem às histórias que constroem nosso percurso pela literatura e pela vida.

 

2) Histórias de Willy, de Anthony Browne

O premiado criador de livros ilustrados e vencedor do prêmio Hans Christian Andersen, Anthony Browne, nos apresenta o macaquinho Willy, que toda semana abre as portas para mundos fantásticos onde habita e vive aventuras. Pela perspectiva do leitor voraz que é Willy, o leitor deste lado passeia por clássicos da literatura infantil, como Robinson Crusoé, Peter Pan, Alice no País das Maravilhas e O mágico de Oz.

 

3) Livros!, de John Alcorn e Murray McCain

Este pequeno e maravilhoso livro vai contar aos leitores de todas as idades o que é um livro, o que ele pode ser e as sensações que ele pode despertar. E, como um “livro pode ser muitas, muitas coisas, pelo menos dez mil coisas”, ele começa nomeando os livros por fora, falando de cada parte desse objeto e a sua função. Depois, parte para dentro, “onde eles ficam ainda mais bonitos”. Com referências pontuais a outros livros e uma tipologia cheia de cor e movimento, este livro explica por que todo mundo ama os livros!

 

4) Eu fico em silêncio, de David Ouimet

Uma menina tímida e introvertida não consegue se expressar em uma cidade barulhenta e cheia de gente e, por isso, opta por ficar em silêncio. Ela se sente deslocada e a solidão e a sensação de inadequação a fazem sempre querer fugir. Mas ela descobre uma voz possível por meio dos livros. Quando lê, ela percebe que não é tão diferente assim e que aquele é o seu lugar. 

LEIA MAIS: David Ouimet, de 'Eu fico em silêncio', conta que foi uma criança instrospectiva e feliz

 

5) É um livro, de Lane Smith

Um burrinho cheio de intimidade com a tecnologia quer saber o que é esse objeto que o Gorila tem nas mãos: precisa recarregar a bateria? Precisa de senha? Dá para tuitar? Dá pra mandar mensagem? Não, é um livro! Uma homenagem genial de Lane Smith a esse objeto físico que não tem como ser substituído por nenhum aparelho eletrônico.

LEIA MAIS: 10 coisas que você não sabia sobre a vida de Lane Smith

 

6) É um livrinho, de Lane Smith

Esta é a versão de É um livro para bebês. De fraldas como os pequenos leitores, o gorilinha tenta ler, enquanto o burrinho, muito serelepe, quer saber para que serve aquilo que o amigo segura. É para morder? Não. É para voar? Não. É para construir? Não. As perguntas e experiências do burrinho com o objeto livro mimetizam aqui a própria interação das crianças bem pequenas com o ele, que mordem, jogam, fazem de casinha. Para eles, o livro também é um brinquedo, afinal. Em formato quadrado e pequeno para acomodar as mãozinhas, É um livrinho é cartonado e vai resistir a muitas aventuras.

 

***

Leia mais:

+ Como ler para o bebê?

+ O silêncio das crianças é um problema?

+ Como escolher um livro de presente para uma criança?

Neste post
Acesse a Letrinhas nas redes sociais