5 trechos de livros para conversar sobre luto e morte

Falar sobre morte e luto, em geral, não é fácil, especialmente quando envolve as crianças. Então, como tratar desses assuntos com os pequenos? Pensando nisso, separamos alguns trechos de livros que abordam o tema da morte, da perda e da separação, mesmo que de maneira indireta, para encorajar leituras e conversas que talvez sejam mais delicadas.

LEIA MAIS: Como falar sobre morte com as crianças?

Como a literatura é povoada de perdas e ausências, os livros são ótimos para começar essa conversa, que deve ser pontuada por honestidade e naturalidade. É muito comum se deparar com personagens órfãos na literatura infantil, por exemplo, e eles encontram suas maneiras de lidar com o sofrimento: seja escrevendo cartas para quem se foi, seja conversando com suas fotos e quadros, como é possível conferir nos trechos a seguir.

Da mesma forma, é importante confiar na habilidade que as crianças têm para significar e elaborar essas informações e experiências. Mas, claro, elas não precisam enfrentar sozinhas a tempestade. É importante que os adultos mediem a leitura com os menores e, no caso dos leitores mais experientes, que acompanhem e estejam abertos para conversar.


 

1) Em trecho de uma carta para seu irmão Théo, que virou o livro O pássaro na gaiolailustrado por Javier Zabala, o pintor Vincent Van Gogh fala sobre a privação da liberdade e sobre as formas de contornar esse tipo de morte em vida.

 

2) Diante da iminente morte da avó, quatro crianças se encontram com a própria morte e conversam com ela no livro Pode chorar coração, mas fique inteiro, que oferece uma nova perspectiva sobre a passagem que todos farão.

 

3) A mãe de Liliana fica doente, vai para o hospital e acaba morrendo. No livro O caderno de Liliana, conhecemos a busca da menina por entendimento e acolhimento por meio das cartas que ela passa a escrever para a mãe, contando as coisas que acontecem em sua vida e a enorme falta que sente dela.

 

4) Píppi Meialonga é a menina mais forte do mundo e, desde muito pequena, viveu sem a mãe. Para afirmar sua própria capacidade de se virar sozinha e afastar seus temores em voz bem alta, ela sempre encontra um jeito.

 

5) Coelho 13º é herdeiro de um hotel que pertence à sua família desde sempre. Quando seu pai morre, é o tio quem assume a frente, deixando o hotel em ruínas. Para manter viva a memória e a história de seu pai e da família, Coelho trabalha incansavelmente para cuidar do hotel e sobreviver ao tio incompetente e sua mulher maligna.

 


 

Leia mais:

+ Como as nossas crianças estão se sentindo?

+ O que a ficção pode fazer pela saúde mental das crianças

+ Contos para rir, chorar e sentir medo

Neste post
Acesse a Letrinhas nas redes sociais