Três livros, trinta poemas, três versos

 

 

Fabrício Corsaletti teve uma infância mais musical do que literária. Das primeiras leituras, no começo da adolescência, lembra-se da descoberta do livro Casa de pensão, de Aluísio Azevedo, o primeiro romance que leu e sentiu “um negócio muito forte” ao final. Já aos 15 anos, caiu em suas mãos uma antologia de poemas, músicas e crônicas de Vinicius de Moraes, um brinde enviado por um jornal. Desde então, começou a escrever – e a ler vorazmente. Virou leitor quando virou escritor.

“Eu li e comecei imediatamente a escrever”, lembra o poeta, que teve uma infância marcada pela música popular que chegava em casa com o pai, um compositor de marchinhas. Já a ideia de escrever para crianças veio depois de crescido, quando conviveu com o filho de uma namorada. Os versos, feitos para presente, viraram livro pouco tempo depois – Zoo, publicado pela editora Hedra.

O escritor conta que seus livros infantis surgem de maneira rápida, durante um mergulho de dias na escrita, numa busca em alcançar o estado de abertura total em que a criança vive. "Tem que ter uma suspensão desse cinismo em que a gente vive. Tem que ter uma entrega àquela lógica muito louca. Criança tem aquela coisa meio selvagem, cheia de saltos, nonsense. Eu adoro isso, inclusive literatura para adulto que tem isso eu adoro”, explica o escritor.

Depois de Zoo, surgiram Zoo zureta (2010) e Zoo zoado (2014), ambos publicados pela Companhia das Letrinhas. São três livros, cada um com trinta poemas, cada poema com três versos. Cada poema uma surpresa ao pequeno leitor – aquela mesma surpresa reveladora da poesia. Os versos, cheios de humor, buscam “ver” o que já tinha sido visto, “mas de uma maneira muito mais precisa”. Brincam com a nomenclatura do animal, a definição de seu nome, suas formas inusitadas.

 

Como custa

Crer que a joaninha

Não é um microfusca!

(poema de Zoo zureta)

 

Confira acima vídeo com o bate-papo com o autor, que também lê versos do seu próximo livro de poesia que será publicado pela Letrinhas.

Neste post