Quem é o pai do Capitão Cueca?

 

Dav Pilkey conhece a irreverência desde seus tempos de escola, quando começou a escrever seus primeiros livros. Foi no segundo ano que surgiram os primeiros rascunhos e, não por acaso, os personagens Jorge e Haroldo, artistas e arteiros da série best-seller Capitão Cueca. Por ironia do destino, a inspiração nasceu de um episódio que envolvia sua mais severa professora, aquela que o expulsava das aulas todos os dias.

“Um dia, numa conversa com a classe, ela por acaso usou a expressão roupa de baixo. Todo mundo começou a rir imediatamente. Isso deixou a professora muito brava. Ela deu uma bronca nas crianças, gritando: ‘Roupa de baixo não é engraçado!’”, o que gerou risadas ainda mais altas, conta o autor, ao final de um de seus livros.

 

 

A partir desse momento, ele percebeu o poder da roupa de baixo, já que uma simples menção à palavra já trazia a gargalhada das crianças. Foi quando começou a desenhar o Capitão Cueca. A professora sempre o mandava para o corredor, onde, sozinho com um papel e um lápis, dava vida ao novo personagem. Conta que uma vez ela rasgou um de seus quadrinhos. Disse que era melhor que ele crescesse, porque não poderia passar o resto de sua vida fazendo livros bobos. Mais tarde, ele descobriria o quão errada a professora estava.

A primeira publicação veio aos 19 anos, quando ganhou seu primeiro concurso literário. O ano era de 1987, antes da queda do muro de Berlim e do fim da Guerra Fria. Sua obra, World War Won, conta a rivalidade entre uma raposa e um guaxinim, que competem para construir a pilha de armas mais alta, em clara referência aos Estados Unidos e à antiga União Soviética. Quando uma forte corrente de vento ameaça a derrubada das munições, eles começam a temer as possíveis consequências de seus atos.

 

Origem do apelido

Apesar de se chamar David Pilkey, ele decidiu adotar seu apelido, Dav, sem o “e” usual de Dave, na época em que trabalhava em uma unidade da Pizza Hut. É que só cabiam três letras em seu crachá. Desde então escreve seu nome assim, apesar de pronunciá-lo Dave.

 

 

A série do herói cuequento

Os livros contam a história de Jorge e Haroldo, dois garotos com uma forte veia artística. Além de adorarem criar histórias em quadrinhos, faziam a maior arte pela escola! Juntos, criam o Capitão Cueca, o super-herói mais legal de todos os tempos, Jorge cuidando do texto e Haroldo, da ilustração.

 

Jorge e Haroldo

Os amigos artistas e arteiros, Jorge e Haroldo, foram baseados no próprio autor. Seus nomes vêm de famosas séries de TV dos Estados Unidos, que Pilkey amava quando era criança: George, o curioso e O Menino Haroldo com um lápis de cor. Já seus sobrenomes (Beard e Hutchins) são os mesmos dos atores mirins da série Os batutinhas, Bobby Hutchins e Matthew Beard, a qual Pilkey assistia todos os dias.

 

Sr. Krupp

O mais malvado e azedo diretor que a escola Jerome Horwitz já teve, Sr. Krupp também teve seu nome e personalidade inspirados em um personagem de Os batutinhas: o sr. Crutch, velho rabugento que aparece no episódio Shrimps for a day (Camarões por um dia), de 1934.

 

 

Capitão Cueca

O super-herói mais legal de todos os tempos era apenas um personagem dos quadrinhos de Jorge e Haroldo. Mas, por circunstâncias que são apresentadas no primeiro livro da série, os garotos acabam hipnotizando Sr. Krupp, o diretor, e fazem com que ele acredite ser o Capitão Cueca. Agora, sempre que o diretor ouve o som de estalar de dedos, seu alter ego logo vem à tona para promover a justiça cuequenta.

 

Dr. Fraldinha

Como toda boa história de super-herói, essa também tinha de contar com um supervilão. O Dr. Fraldinha é o nome perfeito para ocupar esse papel: o cientista malvado que usa fraldas criou até dois robôs para serem seus capangas. Pretende nada menos que explodir a Lua, fazendo com que pedações dela caiam sobre todas as maiores cidades do mundo e as destrua. Assim, ele poderá dominar o planeta.

 

Censura

Não são apenas Jorge e Haroldo que têm suas obras proibidas – a série Capitão Cueca, a de Dav Pilkey, já esteve cinco vezes na lista da American Library Association (Associação de Bibliotecas Americanas) dos livros mais censurados nos Estados Unidos: em 2002, 2004, 2005, 2012 e 2013 chegando ao primeiro lugar de livros recusados no país.

Além disso, diversas escolas americanas chegaram a proibir o livro quando foi revelado que Haroldo, um dos protagonistas, é gay. Na história, é mostrado como os dois amigos viveriam depois de crescidos, e o personagem aparece como um artista que vive com seu companheiro Billy.

 

Nas telonas

Neste ano, a série foi adaptada para o cinema pela Dreamworks. O longa tem direção de David Soren. Na versão americana, Kevin Heart faz a voz de Jorge, e Thomas Middleditch, a de Haroldo. O Capitão Cueca foi dublado por Ed Helms. O filme estreou em outubro nos cinemas brasileiros.

 

 

Spin-offs

A série ainda gerou diversos spin-offs, ou seja, histórias que surgiram a partir dos personagens das aventuras do Capitão Cueca. No Brasil, O Homem-Cão e As aventuras do superbebê fraldinha foram publicados pela editora Cosac Naify – serão relançados pela Companhia das Letrinhas. Ainda existe, sem tradução para o português, a obra The Adventures of Ook and Gluk.

 

 

Os favoritos

De todos os livros escritos por Dav Pilkey, seu preferido é The adventures of Ook and Gluk: Kung-Fu Cavemen from the future, ainda sem tradução para o português. O que o autor acha mais engraçado, no entanto, é Superbebê Fraldinha 2: a invasão dos ladrões de penico, em especial um capítulo que faz uma paródia à obra Como o Grinch roubou o Natal, de Dr. Seuss, um dos livros favoritos de Pilkey.

 

Ricky Ricota e seu super-robô

O universo de Pilkey não é limitado à serie do Capitão Cueca, apesar de ser seu trabalho mais famoso. Entre seus outros trabalhos estão Ricky Ricota e seu super-robô, também publicada no Brasil pela Cosac Naify e que deverá voltar em breve pela Companhia das Letrinhas.

A história é de Ricky Ricota, um camundongo que vive em Guinchópolis. Sua vida poderia ser normal: faz as tarefas de casa, vai à escola... E tem um super-robô de estimação, que lhe ajuda com as dificuldades do dia-a-dia. Quando o nefasto dr. Fedorento Nojentino tenta dominar o mundo, salvar o planeta Terra só pode ser trabalho para eles. Diferentemente da série Capitão Cueca, Ricky Ricota e seu super-robô é ilustrado por Dan Santat.

Quer conhecer mais sobre o universo Dav Pilkey?

Vale uma visita ao site do autor: http://www.pilkey.com