O que fazer na Bienal do Livro Rio?

 

A Bienal Internacional do Livro Rio é um dos maiores eventos literários do país, capaz de reunir há 38 anos milhares de pessoas num grande encontro que tem o livro como astro principal. Entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro, o Riocentro sedia a festa da literatura e da educação, com debates e atividades que refletem e promovem a leitura. A programação para jovens e adultos é extensa, mas não só para eles: educadores e crianças terão atenção ainda mais especial nesta edição.

Assim, como nas edições passadas, diversos estandes das editoras aparecem especialmente projetados com os temas dos principais livros e autores. A Companhia das Letrinhas, além de bate-papos e atividades, oferece também sessões de autógrafos com Clara Alves, de Conectadas, Gabriel Bá, autor da Quadrinhos na Cia, e Otávio Júnior, autor de Da minha janela ‒ que também estará na atividade Da Minha Janela eu Desenho… junto da ilustradora Vanina Starkoff no pavilhão infantil. Neste pavilhão, também acontece a atividade Capitão Cueca: Ler te dá superpoderes! parte da programação da editora (que você pode conferir completa no site).

 

Estande da Companhia das Letrinhas com a personagem Mortina
 

“Neste ano, optamos por trabalhar com categorias muito bem segmentadas, reforçando a lógica de criar uma Bienal para cada público”, comenta Tatiana Zaccaro, diretora da Bienal do Livro Rio. Entre temas como democracia, fake news, meio ambiente, feminismo e diversidade racial, a educação ganha dois dias inteiros no meio dessa agenda diversa. No Fórum de educação: conectando saberes, que acontece noss dia 2 e 3 de setembro, a proposta é “colocar a educação em diálogo com diferentes plataformas e conectar saberes para encarar o desafio de educar em um mundo em transformação”. O espaço voltado para educadores recebe ainda o EduTalks, formato inédito na Bienal e inspirado no TED, com palestras de dez minutos em que os convidados mostrarão as grandes apostas para 2020, visto como uma oportunidade para que as editoras se apropriem do fórum além das palestras e outras atividades de aperfeiçoamento profissional, inspiração e troca de experiências. “É um espaço para que o professor ouça, converse e seja ouvido”, conta Tatiana Zaccaro. “Para a maioria dos brasileiros, os professores são o único elo entre o universo literário, a criança e o jovem. Nada mais justo do que valorizá-los com experiências enriquecedoras para seu dia a dia de trabalho”, defende.

 

 

Para o leitor, é uma oportunidade de ver seus autores favoritos e conhecer muitos outros. A escritora Ana Maria Machado é uma das homenageadas desta edição. A autora, consagrada no universo da literatura infantil, celebra 50 anos de carreira e estará na primeira mesa do Café Literário. Pedro Bandeira e Ruth Rocha, dois outros autores de livros infanto-juvenis, também aparecem no evento.

Outros debates e rodas de conversa também ganham destaque na Bienal, como A importância da arte-educação nas escolas, com a professora Ana Mae Barbosa, uma das principais referências no estudo de arte-educação no Brasil, ou Retratos da leitura em bibliotecas escolares – Bibliotecas na escola fazem diferença na aprendizagem dos alunos?, no qual serão apresentados os resultados da pesquisa Retratos da Leitura – Bibliotecas Escolares, encomendada pelo Instituto Pro Livro ao Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), para identificar quais condições  impactam positivamente na performance dos alunos em língua portuguesa.

E a diversidade editorial, de público e de formatos também aparece na programação, em mesas como Literatura infantil e periferias: escritores e formação de leitores, com Otávio Junior e Bel Santos; Aprender em comunidade, com José Pacheco, mestre em Ciências da Educação e especialista em Alfabetização; e Leituras elásticas, com Carolina Sanches, pedagoga e cofundadora do Ler Conecta, uma agência de conhecimento voltada para educadores, pais e crianças. A Bienal também traz nos seus dez dias de evento Marisa Lajolo, escritora e especialista na obra de Monteiro Lobato, e convidados como Luis Fernando Veríssimo, Mario Sergio Cortella e Mauricio de Sousa.

Pela primeira vez também o festival dedica um pavilhão ao público infantil, palco da maior atividade do evento: Pela estrada a fora…, uma experiência imersiva e sensorial especialmente para as crianças, que poderão experimentar texturas, gradação de luz para passagem de tempo, sons de bichos e da natureza, como numa floresta saída de um grande livro pop-up. E como não poderia faltar, o espaço traz uma série de atividades lúdicas, como as três tocas ilustradas com desenhos que remetem a fábulas, lendas e contos clássicos da literatura, numa agenda para atrair e alegrar gente pequena e gente grande.

 

***

 

 

XIX Bienal Internacional do Livro Rio

 

Onde: Riocentro (av. Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca)

Quando: de 30 de agosto a 8 de setembro

Quanto: R$ 15 (meia-entrada), R$ 30 (inteira); inscrições para algumas atividades podem ser realizadas no site

Classificação etária: livre

Neste post
Acesse a Letrinhas nas redes sociais