O que Greta Thunberg tem a nos ensinar?

“Não podemos continuar vivendo como se não houvesse amanhã, porque há um amanhã.” É assim que a adolescente sueca resume a mensagem que quer transmitir. Greta Thunberg se tornou porta-voz da maior causa do planeta: a sobrevivência. Falou na Organização das Nações Unidas (ONU), no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), e até com o Papa Francisco. Eleita personalidade do ano de 2019 pela revista Times (a quem deu a declaração acima), a ativista ambiental de apenas 17 anos ajudou a organizar protestos em todo o mundo e se tornou símbolo da luta por um estilo de vida mais sustentável, inspirando jovens e crianças a seguirem seus passos. Sua vida acabou virando tema de um livro que mostra como a ação de uma só pessoa pode mudar o mundo: "Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença". Escrito com base nos discursos da ambientalista, a autora norte-americana Jeanette Winter conta às crianças de forma simples o que levou a garota a partir para a ação e como tem influenciado milhões de pessoas. 

(Imagem do livro "Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença")

“O fato de Greta estar colocando essa questão na agenda e mostrando toda a urgência dessa causa é incomparável. Todo esse movimento é muito bacana e muito benéfico, principalmente para as crianças, que têm uma sensibilidade pelo tema”, explica Denise Conselheiro, coordenadora do Edukatu, o braço educativo do Instituto Akatu. 

Tudo começou em 20 de agosto de 2018, quando ela começou a fazer greve na escola às sextas-feiras. Em vez de frequentar as aulas, Greta acampava diante do Parlamento Sueco segurando um cartaz pintado com letras garrafais: ‘Greve escolar pelo clima’, mesmo em dias chuvosos e gelados. Seu protesto era devido ao fato de os políticos não tomarem atitudes enérgicas para combater a emissão de gás carbônico e, por consequência, o aquecimento global.

(Foto de Greta Thunberg em sua página no Facebook)

Para ela, não faz sentido ir para a escola se não houver um planeta, um futuro. E, portanto, seus pais acabaram autorizando o protesto da filha – eles já acompanhavam sua preocupação com o planeta desde os 11 anos, quando ela teve uma depressão por conta dessa preocupação e passou a agir, coletando dados e informações, repassadas aos pais. Aos poucos, outros estudantes começaram a se juntar à garota às sextas-feiras e sua atitude ganhou repercussão na internet e um nome: Fridays For Future (ou “sextas para o futuro”). O movimento acabou gerando uma marcha mundial em 15 de março de 2019, envolvendo estudantes de mais de 40 países – o Brasil não participou.

A mobilização segue crescendo. Em setembro do ano passado, Greta conseguiu mobilizar 4 milhões de pessoas em uma greve climática global. E se consolidou oficialmente como o símbolo de uma nova geração disposta a reparar os danos ao planeta.

(Capa do livro "Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença")

 

Como falar sobre sustentabilidade com as crianças

Pode parecer (e é) um tanto assustador conversar com as crianças sobre todos os efeitos devastadores que o planeta vem sofrendo: incêndios na Austrália, queimadas na Amazônia, calotas polares derretendo e liberando vírus desconhecidos… Tudo isso pode paralisá-las. Por isso, ao falar com elas sobre mudanças climáticas e a importância de cuidar do meio ambiente, o caminho é focar nos pontos práticos. “É preciso colocar a criança como protagonista, pensando de um ponto de vista propositivo: o que ela pode fazer? A partir daí, pode-se pensar possibilidades no dia a dia como economizar água, separar resíduos”, explica Denise. 

Reduzir a quantidade de lixo produzido, as viagens de carro e a quantidade de carne consumida, preferir alimentos orgânicos e in natura, não deixar a comida estragar no congelador, levar as próprias sacolas ao mercado, evitar o uso de plásticos descartáveis são atitudes que os adultos podem adotar e que servirão de modelo para os pequenos. E eles podem ser estimulados a reciclar suas próprias coisas: os brinquedos encostados podem ser doados ou trocados com outras crianças, as roupas podem ser customizadas para adquirir uma nova cara, os tênis podem ser repassados entre os familiares... Vale também criar uma hortinha em casa e dar preferência para festas de aniversário, por exemplo, em meio à natureza, em um piquenique, o que aproxima os pequenos do contato com o meio ambiente e reduz a quantidade de itens necessários para a decoração.

 

"A sustentabilidade é o suficiente para todos e para sempre" (Denise Conselheiro, coordenadora do Edukatu)

 

Tudo isso é sustentabilidade, mas não só. De uma perspectiva mais ampla, ser sustentável é um modo de agir no presente que garante o futuro. “Usamos uma definição simples: a sustentabilidade é o suficiente para todos e para sempre. Ou seja: não é o que você acha que quer, mas o que de fato precisa, pensando no bem-estar de todos. E não adianta ser só agora - outras gerações virão e precisarão desfrutar também”, explica. 

Para Denise, a grande mensagem que Greta traz vai muito além da sustentabilidade. Seu exemplo ilustra o poder da mobilização: “A lógica é esta: um indivíduo sempre pode fazer alguma coisa. Olha só o que uma menina da Suécia causou no planeta fazendo protestos, greves”, resume. Apenas com a mobilização de todos e de cada um nós será possível transformar a maior crise climática que o planeta já enfrentou no caminho para trilhar um novo estilo de vida - com o suficiente, para todos, para sempre. 

 

Leia também:

+ Como ensinar sustentabilidade às crianças?

+ Por matas, rios e igarapés da Amazônia

+ Jogando com a (nossa) natureza

Acesse a Letrinhas nas redes sociais