Dez livros para ler com os avós!

 

No dia 26 de julho, comemora-se o Dia dos Avós! Como nos livros infantis não faltam histórias com ou sobre vovôs e vovós e netos e netas, selecionamos dez obras que podem ser lidas nessa data que homenageia esses familiares mais do que especiais. Nessa lista, há a avó Alice, enfeitiçada nos versos de Mário Quintana, a avó alienígena criada por Babette Cole, o Vovô Verde das memórias de Lane Smith, a vovó dos quitutes nipônicos de Janaina Tolitaka e, claro, a sempre inesquecível Dona Benta, a vovó sabida do Sítio do Picapau Amarelo.

Antes mesmo de conhecermos os livros, no entanto, vale saber mais sobre a data comemorativa. No Brasil e em Portugal, a celebração do Dia dos Avós é fruto do empenho de Dona Aninhas, a vovó portuguesa Ana Elisa do Couto, de Penafiel, na região do Porto, avó de quatro netas e dois netos que se tornou uma missionária do reconhecimento desses laços familiares. Ela viajou por diversos países, incluindo o Brasil, defendendo que se comemorasse o Dia dos Avós numa data que tem origem na mitologia cristã: a Igreja Católica celebra no 26 de julho o dia de São Joaquim e Santa Ana, pais de Maria, avós de Jesus Cristo. A data então foi aceita pelo Papa Paulo VI e passou a aparecer no calendário lusitano e brasileiro.

 

Placa dedicada à Dona Aninhas, criadora do Dia dos Avós em Penafiel, Portugal — Foto: Edison Veiga/BBC Brasil

 

Mas o dia 26 de julho não é um consenso mundial. Na Itália, por exemplo, houve a preocupação de desconectar o Dia dos Avós da memória dos santos e enfatizar o caráter civil da festividade, sendo a "Festa Dei Nonni" festejada no 2 de outubro. No Canadá, comemora-se no também em outubro, mas no dia 25. Nos Estados Unidos, no Reino Unido e na Austrália, comemora-se como o Dia das Mães e dos Pais, ligado ao dia da semana: as festas acontecem no primeiro domingo de setembro, no primeiro domingo de outubro e no primeiro domingo de novembro, respectivamente. Já na França é diferente: há o Dia das Vovós (primeiro domingo de março) e o Dia dos Vovôs (primeiro domingo de outubro).

Confira a seguir algumas histórias para ler com vovôs e vovós.

 

Pé de Pilão

Mário Quintana faz em Pé de Pilão uma poesia brincalhona, contando diversas histórias de personagens cujas tramas vão se alinhando nas rimas, aproximando crianças e adultos da infância. No livro, uma dessas histórias é a do menino Matias, transformado em um patinho amarelo por uma bruxa que vive uma aventura fantástica em busca da sua avó Alice, que também foi enfeitiçada.

 

 

Meu avô é um problema/Minha avó é um problema

Os livros da Babette Cole fazem um sucesso e tanto entre as crianças justamente por mostrar que adultos também podem ser um problema. No caso dos avós dessa série de livros, o vovô plantava verduras e legumes enormes e premiados, de dar inveja nos concorrentes – o que motivou que eles tramassem uma emboscada para o vovô, envolvendo tomates, lagartas gigantes e até a polícia! E a vovó que é, na verdade, uma alienígena? São aventuras com os avós do tamanho do universo!

 

 

Histórias de Avô e Avó

Numa autobiografia afetiva, o crítico de música Arthur Nestrovski escreve as lembranças que tem sobre seus avós, judeus de origem russa que emigraram para o Brasil e se instalaram no sul do país. Pelas histórias, é possível conhecer o passado brasileiro nas contações do vô Maurício e vô Felipe, vó Olga (na verdade bisavó), vó Luísa e vó Póli. Se fossem outros os avós, as histórias seriam as mesmas? Para o autor, seriam, já que avós adoram seus netos – e vice-versa.

 

 

Vovó veio do Japão

As quatro mulheres que assinam este livro como autoras e ilustradoras – Janaina Tokitaka, Raquel Matsushita, Mika Takahashi e Talita Nozomi – contam as histórias carinhosas de quatro meninas que se divertem com suas avós. As obaa-chans nasceram no Japão, diferentemente de suas netas, mas sabem muito bem como agradá-las: criando brincadeiras e saborosos quitutes nipônicos, alguns deles com um toque brasileiro. A obra é um convite a descendentes de imigrantes conhecerem a cultura japonesa de um jeito muito divertido e delicioso!

 

 

As fantásticas aventuras da vovó moderna

Neste livro de Leo Cunha e Marta Lagarta, quem protagoniza a aventura é a própria vovó! Numa história repleta de sonhos, ventanias, tempestades e invenções mirabolantes, a vovó moderna tem uma tarefa e tanto: tentar fazer com que o vô Astolfo deixe de ser tão dorminhoco e desanimado. Ela vai usar toda a sua ousadia e criatividade, além de contar com ajuda da mãe natureza para essa missão.

 

 

Vovô Verde

Cada um tem a sua maneira de guardar as vivências que vamos acumulando ao longo do tempo e que não gostaríamos de esquecer. Hoje, o Vovô Verde anda um pouco esquecido, mas não deixa de ser um jardineiro apaixonado – então nada melhor do que retratar suas memórias no jardim de casa, formando um verdadeiro relicário de alegrias, tristezas, decepções, descobertas e tudo mais que a vida proporciona. Nessa história delicada, a autora Lane Smith aborda o envelhecimento, a memória e os laços afetivos que unem os familiares.

 

 

Reinações de Narizinho

Nas histórias do Sítio do Picapau Amarelo de Monteiro Lobato, Pedrinho e Narizinho têm em Dona Benta todo o amparo e incentivo para suas mais mirabolantes aventuras. No início, ela pensava que as peripécias da turma do sítio eram pura imaginação de criança, mas acabou descobrindo o mundo encantado onde essas sagas acontecem, e não à toa é descrita como “a mais feliz das vovós”. Reinações é um clássico da literatura infantil que conquistou diversas gerações – uma ótima pedida para ler com os avós.

 

 

O amor pega feito um bocejo

Tia Cátia é uma senhora que vai morar com seu sobrinho porque está um pouco atrapalhada. Velhinha e avoada, ela usa maquiagem vermelha para ir à igreja, esquece o fogo ligado, tropeça nos tapetes pela casa... Com versos rimados, o autor Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira narra as mudanças no dia a dia familiar e os causos engraçados dessa nova convivência, mostrando que há muitas maneiras diferentes de conviver e de amar.

 

 

Histórias de antigamente

A autora Patricia Auerbach gostava de ouvir as histórias dos seus antepassados, e ficava pedindo para os avós contarem histórias engraçadas e interessantes que viveram. Afinal, era num tempo muito diferente dos dias de hoje – sem geladeira, TV ou carro. Além de narrar seus divertidos causos familiares e falar sobre os costumes de outra época, a autora explica no livro como e quando algumas engenhocas que revolucionaram o nosso jeito de viver foram inventadas, num ponto de vista interessante sobre as vivências de avós e netos.

 

 

Como ser babá da vovó/Como ser babá do vovô

Cuidar dos avós pode ser muito divertido, como a protagonista deste livro mostra bem. No final de semana em que vai passar sem os pais, tendo só a avó (ou o avô) como companhia, a neta cheia de criatividade descreve as tantas brincadeiras possíveis de fazer com os avós, provando que não há nada melhor do que se divertir ao lado de quem a gente mais ama e que cuidar dos avós pode ser muito legal ‒ basta saber como é que se faz.

Neste post
Acesse a Letrinhas nas redes sociais