Conheça a nova Píppi Meialonga

 

Píppi Meialonga está de volta. Se no ano passado pudemos testemunhar a carismática personagem visitando a cidade do Rio de Janeiro, onde aprendeu a jogar capoeira e provou água de coco pela primeira vez, agora a menina mais forte do mundo está de cara nova. A menina Flavia Scanuffo interpreta Píppi em novo ensaio, com a curadoria de Rodrigo Accioly. "Mesmo avaliando meninas com o tipo físico da personagem, faltava o carisma e a energia. A alegria dela foi uma verdadeira explosão."

 

 

Desta vez, o ensaio deverá ser feito na cidade de Santos, devido à comemoração aos 60 anos da Copa do Mundo de 1958. "Vinha de Santos a base da seleção que brilhou nos campos da Suécia naquele ano", explica Rodrigo. A principal comemoração, entretanto, é aos 110 anos de nascimento da criadora da menina ruiva de tranças puxadas, a sueca Astrid Lindgren, comemorado exatamente hoje. O ensaio será feito pelo fotógrafo Paulo Vittar, autor das fotos prévias publicadas aqui.

 

 

Considerada referência na literatura infantil, a escritora sueca tem um prêmio internacional criado em sua homenagem, o Alma (Astrid Lindgren Memorial Award). A premiação segue alguns preceitos defendidos em vida pela autora: a valorização dos direitos das crianças e das produções literárias voltadas à infância. Sua principal personagem – a própria Píppi, que vendeu cerca de 145 milhões de exemplares em todo o mundo – é uma garota empoderada já em 1945, ano em que a história foi publicada.

 

 

Píppi vive na sua casa, a Vila Vilekula, onde espera a volta de seu pai, bravo marinheiro que caiu de seu barco e sumiu entre as ondas do mar. Na companhia de seu cavalo e de seu macaquinho, o sr. Nilson, ela faz as próprias roupas e protege-se de perigos com a sua força descomunal. Só no primeiro livro, enfrenta policiais que querem levá-la a um lar de crianças, dá uma surra em cinco meninos briguentos, põe dois ladrões para correr e enfrenta um touro. Afinal, sua mãe estava no céu, e Píppi tinha a certeza de que ela a espiava por um buraquinho lá de cima. De vez em quando, acenava para ela e prometia: "Não se preocupe! Eu sempre dou um jeito!".

 

 

Astrid criou as peripécias de Píppi na década de 30, quando contava as histórias para a sua filha, Karin. Quando a menina completou 10 anos de idade, a mãe decidiu reuni-las em um livro, dado de presente à criança. A obra, publicada alguns anos depois, chegou a ser adaptada para a TV, em 1968, quando a própria Astrid resolveu acompanhar algumas das filmagens. Sob a direção de Olle Hellbom, 8 mil garotas se candidataram para representar a corajosa personagem.

 

 

Para quem se interessou pela história, a dica é conferir os livros Píppi Meialonga, Píppi a bordo e Píppi nos mares do sul. Em Você conhece a Píppi Meialonga?, você pode mergulhar melhor no universo da protagonista. Outras obras da autora publicadas pela Companhia das Letrinhas são Os irmãos coração de leão, Emil e a grande fugaKarlsson no telhado, além de Rônia, a filha do bandoleiro, lançada em setembro.

Neste post