A fabriqueta inventiva de Katia Canton

 

 

O ateliê da artista, curadora e escritora Katia Canton é uma verdadeira “fabriqueta de ideias”, um espaço nos fundos da casa. Entre sons de passarinhos e diversas obras que revelam uma de suas paixões – as histórias tradicionais que sobrevivem há séculos, os contos de fadas –, ali ela guarda muita inspiração para os livros que escreve e, às vezes, também ilustra.

Foi em meio a suas criações que nasceram os livros Fabriqueta de ideias e, mais recentemente,Fabriqueta abecedário. Ambos surgiram de uma coluna no Estadinho, suplemento infantil do jornal O Estado de S. Paulo. No espaço semanal, sugeria às crianças atividades criativas, semelhantes às que realiza em seu ateliê: faz surgir desenhos de conhecidas expressões da língua portuguesa (como a atividade de completar as caras metade desenhadas, brincando com o termo “cara-metade”) e convida à escrita de poemas, além, claro, das propostas de desenhos, gravuras, colagens.

De sua incrível fabriqueta, nascem também livros sobre temas diversos voltados ao público infantil. Permeiam seus trabalhos obras sobre cozinha (A cozinha encantada dos contos de fadas), moda (Moda: uma história para crianças), arte (O trem da história) e até sobre yoga (Yoga para crianças).

Seu grande objeto de estudo, no entanto, são os contos de fadas, tema que aborda com a paixão da tímida criança que foi. Moradora do bairro paulistano de Santa Cecília, vivia no mesmo prédio de sua tia, que passava tardes a lhe contar as mais fantasiosas histórias. Crescida, especializou-se com estudos na Universidade de Nova York, sempre mergulhando nesse assunto. A partir de então, descobriu a força das mulheres nessas narrativas tradicionais. “[O conto de fadas] fala da criança em mim, fala da criança nos outros, mas fala da mulher em mim também. Tem uma coisa do feminino nos contos, de como a mulher é retratada”, conta.

Por que essas histórias sobrevivem há tanto tempo, e em lugares tão diversos? Para Katia Canton, a resposta está ligada ao encantamento, à transcendência de um conto tradicional. Chega a citar Fernando Pessoa, que explica essa magia em uma icônica frase: “A literatura e a arte existem porque a vida não basta”. É o legado que deixamos para a humanidade.

No vídeo acima, saiba mais sobre a fabriqueta de Katia Canton.