1001 livros que toda criança deveria ler

Quais são os 1001 livros que crianças e jovens deveriam ler antes de crescer? Para responder a essa questão, surgiu em 2016 o Prêmio Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio, que tem destacado anualmente obras com valor literário, plástico e editorial, sem designação por categorias ou faixas etárias, mas atentas à qualidade artística no diálogo entre texto e imagem. O prêmio tem dois selos, Seleção e Distinção, e, em 2017, o grupo Companhia das Letras teve cinco livros com destaque.

Os títulos Aimó (Seguinte), de Reginaldo Prandi, Coelho 13º e o olho que tudo vê (Companhia das Letrinhas), de Tania del Rio, Fera (Seguinte), de Brie Spangler e Querido mundo, como vai você? (Fontanar), de Toby Little, ganharam o selo Seleção. Já no selo Distinção, foi escolhida a obra De flor em flor (Companhia das Letrinhas), de JonArno Lawson.

O prêmio, criado pelos professores Eliana Yunes e Luiz Antonio Coelho, faz parte da Cátedra Unesco de Leitura da PUC-Rio, que existe oficialmente desde 2006 e é integrada ao IILER (Instituto Interdisciplinar de Leitura PUC-Rio) desde 2012. Tem como missão "contribuir para a transformação do indivíduo e da sua relação com suas coletividades", além da "supressão progressiva das desigualdades de ordem educacional, de gênero e social". Eles também realizam ações, articulações e projetos de incentivo à leitura.

"Literatura é literatura", lembra Eliana Yunes, ensaísta, crítica e pesquisadora em formação de professores, interdisciplinaridade, infância e cultura, ao comentar que as obras são escolhidas independentemente de gênero e faixa etária. "A criança e o jovem não modificam o conceito, mas exigem que as obras tenham qualidade estética e correspondência ética, mesmo em textos curtos, que não fazem concessão ao fácil. A obra deve comportar muitas isotopias de leitura." Os pesquisadores que constituem o grupo são em geral críticos, professores, criadores, bibliotecários e artistas.

Conheça abaixo os cinco títulos premiados da casa.

 

Aimó, de Reginaldo Prandi

A protagonista desta história é uma menina levada de sua terra natal, na África, para ser escrava no Brasil. Ela acorda em um lugar estranho, cercada por deuses orixás e espíritos de mortos que aguardam o momento de seu renascimento. Sem se lembrar de seu nome ou de sua identidade (Aimó significa "a menina que não sabe quem é"), ela parte em uma longa jornada em tempos mitológicos, guiada por Exu e Ifá.

 

 

Coelho 13º e o olho que tudo vê, de Tania del Rio

Uma família de coelhos possuía um hotel famoso e respeitado há 13 gerações. Mas coube ao ao último representante vivo da linhagem familiar o dever de cuidar do edifício, hoje velho, empoeirado e vazio. Tudo muda quando o pobre Coelho descobre que o local guarda uma relíquia mágica – o Olho que Tudo Vê, objeto que pode salvar o negócio familiar da total decadência.

 

 

Fera, de Brie Spangler

Dylan é um garoto de 15 anos que não leva uma vida fácil. Sofre bullying na escola devido à sua altura e ao excesso de pelos no corpo. Fera é seu apelido. Nenhuma garota havia demonstrado interesse no menino até Jamie aparecer. Ela é linda, inteligente e segura, e Dylan apaixona-se imediatamente pela menina. Acontece que Jamie é transgênera, e Dylan terá que aprender a lidar com outros preconceitos.

 

 

Querido mundo, como vai você?, de Toby Little

Toby Little tinha apenas cinco anos quando decidiu que queria escrever cartas para pessoas de todas as partes do mundo. Com a ajuda da mãe, iniciou sua missão de pesquisar sobre cada país e escrever para alguma pessoa de lá. Hoje, com nove anos, completou seu objetivo, colecionando amigos ao redor do globo. Esse livro é resultado dessa aventura e suas descobertas.

 

 

De flor em flor, de JonArno Lawson

Enquanto caminha com um adulto, uma menina colhe flores no asfalto e as presenteia às pessoas que encontra pela rua. Os detalhes em que a garota repara ao longo de sua jornada garantem a beleza dessa narrativa visual cheia de imagens delicadas e poéticas.

 


Confira os demais selecionados pelo Selo Cátedra 10 2017, que serão premiados no dia 12 de dezembro, às 14h30, no Auditório IAG da PUC-Rio.

Neste post